Asset of Community Value: quando o seu estádio é realmente seu

aston

Caso o Aston Villa coloque o Villa Park à venda nos próximos cinco anos, independentemente do motivo, a preferência de compra será da associação de torcedores Aston Villa Supporters Trust-AVST; que, se não exercê-la, deverá ser informado sobre quaisquer outras negociações. Um acordo entre o clube e as arquibancadas? Mais do que isso: uma determinação do Conselho Municipal de Birmingham, que agora classifica o local como Asset Community Value-ACV — ou “Patrimônio de Valor para a Comunidade”, em tradução livre.

Vamos do início. O ACV é a prática do “Localism Act”, instituído na Inglaterra em 2011. Grosso modo, é um “minitombamento”, que permite as comunidades locais salvaguardarem locais de interesse histórico. Começou sendo aplicado em conjuntos habitacionais, pubs antigos e outros locais de convergência pública, como praças. Daí para chegar aos estádios de futebol, foi um pulo.

Nos últimos anos, o engajamento de Supporters Trusts como a do Aston Villa garantiu proteção popular tanto para outros placos boleiros, sejam profissionais, como Old Trafford (Manchester United), Turf Moor (Burnley), Ewood Park (Blackburn Rovers), St. Andrews (Birmingham), Fratton Park (Portsmouth), Kingsmeadow (AFC Wimbledon) e Bloomfield Road (Blackpool), sejam amadores — por exemplo, o Champions Hill do Dulwich Hamlet, que atua nas ligas regionais de Londres.

villa2

O ACV no futebol inglês parte da consciência de que, na Inglaterra, o futebol é, antes de tudo, um asset popular (e aí estão, entre outros exemplos, os resultados do Leicester campeão da Premier League, da presença de elite do Stoke City e das projeções da futura casa do Tottenham, que não nos deixam mentir). Ou seja: os estádios tendem a ser reconhecidos como patrimônios formais para os clubes e de contrapartida comunitária para os torcedores — que, com sua frequência, respondem pela maior parte de sua viabilização, comprando ingressos e concretizando a exposição de patrocinadores.

villa3

E depois de tudo isso, FutMKT deixa a reflexão: o estádio que você frequenta é de quem? É para quem? E você, é incentivado a ir lá para quê? Mobilize-se pelo futebol popular. A casa é sua.

l

Thiago Zanetin tem 32 anos e é redator publicitário na Concêntrica Comunicação e Conteúdo. Fanático seguidor do Hellas Verona, sonha com o dia em que as verdadeiras cores gialloblù da cidade voltarão a brilhar na Europa.

Imagens: Divulgação.

l

Siga o Futebol Marketing nas redes sociais: facebook | twitter

Category: Marketing