Nashville: do futebol popular à #MLS

nash_000

Music City is Soccer City. Ou “A Cidade da Música é a Cidade do Futebol”. Foi assim que Nashville, recebeu, ontem (20), a concessão de uma franquia no novo plano de expansão da Major League Soccer-MLS para 2020 — superando Cincinnati, Detroit e Sacramento, que ainda lutam por mais uma vaga, além de outras oito praças, que participarão de uma segunda concorrência a definir.

Um negócio que muda a natureza — pelo menos a natureza recente — do soccer em Nash: sai o futebol popular e entra o footbusiness. Isso porque o Nashville SC, o clube que exercerá a franquia na MLS, foi constituído a partir do já antigo Nashville FC, que foi fundado e era 100% operado por torcedores (como o FC United of Manchester, o Unionistas de Salamanca ou, para ficarmos em território yankee, o San Francisco FC).

nash_001

Aos fatos. O Nashville FC foi fundado em 2013, para disputar a National Premier Soccer League-NPSL, a semiamadora Quarta Divisão do soccer. A operação era simples: um membro, um voto — e quanto mais gente, melhor. E, ainda que as arquibancadas não ficassem exatamente lotadas a cada jogo, esse grupo de fãs conseguiu inserir o futebol na cultura local, estabelecendo uma forte rivalidade com o Chattanooga FC (este, sim, campeão de público), com quem também disputava, junto a Knoxville Force e Memphis City FC — outros rivais regionais —, o paralelo Volunteers Shield. Havia, enfim, uma identidade. E um desejo: chegar ao futebol profissional, via United Soccer League-USL ou North American Soccer League-NASL.

nash_002

Foi assim até 2016, quando o clube enfrentou o que nos chamamos de “Dilema de Ancona”: dá para arcar com o profissionalismo (leia-se: como seus custos) em um esquema 100% community club? Nem mesmo o Seattle Sounders, o mais aberto dos clubes da MLS, ousara implantar esse modelo — ainda que faça uma experiência consistente com o seu time-B.

nash_003

Nesse ínterim, a ideia de trazer a MLS para o coração do Tennessee — considerado o 29º maior mercado consumidor entre os 50 estados dos EUA — florescia no meio empresarial. Foi só juntar uma coisa com a outra. E um dos articulistas foi o ex-chairman (conselheiro) do Nashville FC, e também empresário, Marcus Whitney. Assim, criou-se o Nashville SC, que incorporou a identidade do antigo clube em troca de 1% (sim: foi-se de 100% a 1%) de participação popular no Conselho. Investidores locais — dois deles ligados ao Minnesota Kings, da NFL — completariam o consórcio. Em 2017, o NSC começou a opoerar com um time sub-23 na NPSL e, ao mesmo tempo, era inscrito na USL para 2018.

Dessa forma, o Nashville SC chega inteiro ao profissionalismo com base estabelecida e a certeza de que contará com um estádio central para 27.500 pessoas quando estrear na MLS. O velho Nashville FC foi a ponte popular desse processo.

l

Thiago Zanetin tem 32 anos e é redator publicitário na Concêntrica Comunicação e Conteúdo. Fanático seguidor do Hellas Verona, sonha com o dia em que as verdadeiras cores gialloblù da cidade voltarão a brilhar na Europa.

Imagens: Divulgação.

l

Siga o Futebol Marketing nas redes sociais: facebook | twitter

Category: MarketingMercadoNegócios