#FalaFanático | Fábio Casado: iniciativa brasileira no marketing do Borussia Dortmund

001

Se você segue o nosso FutMKT no Facebook (e se ainda não segue, por favor!), já percebeu que gostamos de trocar ideias com os leitores. Foi num desses papos, nos comentários de uma postagem sobre o time-B do Borussia Dortmund, que chegamos ao publicitário paulistano Fabio Casado — um velho conhecido da página. Assim que ele mencionou sua passagem pelo departamento de marketing do BVB, nós perguntamos se seria possível para dividir sua experiência — e que experiência! — com a nossa comunidade boleira. Abaixo, você confere o resultado. É mais uma colaboração para a nossa seção #FalaFanático, 100% feita por quem nos lê. Vamos nessa?

l

Fábio Casado/arquivo pessoal — gentilmente cedida para este post. Reprodução proibida.
Fábio Casado/arquivo pessoal — gentilmente cedida para este post. Reprodução proibida.

Caros amigos e leitores do FutMKT,

Meu nome é Fábio e hoje escrevo meu primeiro artigo. O convite partiu de um dos editores do site após um inesperado diálogo em um dos posts no Facebook. Isso mostra, mais uma vez, como é bacana interagir e dividir conhecimento, portanto, continue participando!

Sou paulistano, tenho 24 anos e sou formado em Publicidade e Propaganda. Aqui contarei um pouco da minha trajetória profissional. E mesmo que esta ainda seja um pouco curta, posso afirmar que estive onde nenhum outro profissional brasileiro jamais esteve: no departamento de marketing do Borussia Dortmund.

Imagem: Fábio Casado/arquivo pessoal — gentilmente cedida para este post. Reprodução proibida.
Imagem: Fábio Casado/arquivo pessoal — gentilmente cedida para este post. Reprodução proibida.

Meu primeiro contato com “futebol como profissão” foi em 2013 quando fui contratado como estagiário de uma produtora de TV alemã para ajudar na organização de um evento “pré-Copa do Mundo” com participação de jogadores brasileiros que fizeram carreira na Alemanha. Na primeira semana me pediram que ligasse para alguns assessores dos nossos convidados de honra para que confirmasse presença. Peguei o telefone e liguei para o primeiro da lista: Luizão. Pra minha sorte (ou azar) o próprio Luizão atendeu o telefone. Sim, aquele mesmo! Óbvio que eu fiquei sem palavras. Gaguejava e não consegui concluir a tarefa. E foi assim com Paulo Sérgio, Dunga, Zé Roberto e Lúcio. Que estreia… mas no final o evento aconteceu conforme o planejado e eu não escondia a minha alegria e alívio, é claro!

Na segunda metade de 2013 um colega de faculdade me indicou para substituí-lo em uma agência, já que estava de saída para trabalhar na empresa da família. O que eu não sabia é que essa chance seria fundamental na minha decisão de seguir carreira no mercado esportivo. A agência tinha filiais no Rio de Janeiro, Porto Alegre, Belo Horizonte e Salvador e era especializada em eventos, experiências e viagens para torcedores (em sua maioria sócios-torcedores) de mais de 10 clubes brasileiros. Fui estagiário por quase 10 meses e então fui efetivado como assistente de marketing. Aprendi muita coisa, trabalhei muito e fui recompensado ao longo dos anos que fiquei por lá. Conheci alguns dos maiores nomes do futebol brasileiro, profissionais renomados dos bastidores do esporte e excelentes colegas de equipe. Mas o que mais me motivava era proporcionar emoção a torcedores comuns quando, por exemplo, entravam em campo uniformizados, ao som do hino do seu clube e tendo como técnicos nada menos que ídolos como Evair, Valdir Espinoza, Serginho Chulapa e Coutinho. Foram 3 anos incríveis!

Imagem: Fábio Casado/arquivo pessoal — gentilmente cedida para este post. Reprodução proibida.
Imagem: Fábio Casado/arquivo pessoal — gentilmente cedida para este post. Reprodução proibida.

Mas acredito que você quer saber o que fui fazer em Dortmund, certo? Pois bem, para isso precisamos voltar uns 10 anos… Comecei a acompanhar o clube e a Bundesliga em meados de 2007, quando o clube passava por sua maior reestruturação e anunciaram novos parceiros comerciais após uma grave crise que levou o BVB à beira da falência. Por coincidência, meus pais abriram nossa casa para uma intercambista alemã (e torcedora do Dortmund). Ela viveu conosco durante quase um ano e nesse período, acabamos criando um laço muito forte, quase como irmãos. O que eu não esperava é que alguns anos mais tarde descobríamos um contato em comum que já atuava dentro do clube. Pronto, era a chance que eu precisava!

Bom, a partir deste ponto da história eu já havia concluído meus estudos e tinha certeza do que queria: trabalhar com futebol. Foram dezenas de e-mails, chamadas de vídeo e entrevistas, até que meu contrato chegou pelo correio e eu tinha que correr para conseguir o visto, comprar passagens e etc… Foram algumas semanas de altíssimos níveis de estresse e ansiedade, mas tudo valeu a pena.

Imagem: Fábio Casado/arquivo pessoal — gentilmente cedida para este post. Reprodução proibida.
Imagem: Fábio Casado/arquivo pessoal — gentilmente cedida para este post. Reprodução proibida.

Cheguei na Alemanha em setembro de 2015. A casa onde vivi nas primeiras semanas ficava em Rheda-Wiedenbrück (cerca de 90km de Dortmund, 50 minutos pela Autobahn). No meu primeiro dia, fui de carona até a sede do BVB. Me apresentei à recepcionista e logo fui encaminhado ao meu setor. Pelos próximos meses eu seria responsável por monitorar as atividades da comunidade aurinegra fora da Alemanha. Isso inclui todos os números de acessos, likes, tweets, jogos televisionados, compras de produtos oficiais, e-mails, cartas e etc, além de ajudar a prospectar parceiros em mercados estratégicos: Sudeste Asiático, Estados Unidos e Brasil.

Imagem: Fábio Casado/arquivo pessoal — gentilmente cedida para este post. Reprodução proibida.
Imagem: Fábio Casado/arquivo pessoal — gentilmente cedida para este post. Reprodução proibida.

Durante a minha passagem por lá, houve um aumento significativo de postagens em português no Facebook oficial, gerando buzz na mídia local, o que foi extremamente positivo para o clube. Mas o auge da minha passagem foi o projeto BVB Evonik Soccer School Brazil, o qual fui idealizador e interlocutor entre Borussia Dortmund, organização (equipe de São Paulo) e patrocinadores.

Imagem: Fábio Casado/arquivo pessoal — gentilmente cedida para este post. Reprodução proibida.
Imagem: Fábio Casado/arquivo pessoal — gentilmente cedida para este post. Reprodução proibida.

A primeira escolinha de futebol do Borussia na América do Sul aconteceu em Fevereiro de 2016 em São Paulo e beneficiou 160 crianças (entre elas 120 alunos de baixa renda do clube Pequeninos do Jockey). Além disso, 60 professores de educação física e colaboradores de ONGs e clubes da periferia puderam participar gratuitamente de uma clínica ministrada pelos técnicos do futebol de base do Borussia Dortmund e o ídolo Dede.

Imagem: Fábio Casado/arquivo pessoal — gentilmente cedida para este post. Reprodução proibida.
Imagem: Fábio Casado/arquivo pessoal — gentilmente cedida para este post. Reprodução proibida.

A ideia era impactar o maior número de crianças possível durante os quatro dias de evento. Se cada professor convidado transmitisse o conhecimento adquirido a 50 crianças, por exemplo, teríamos um total de mais de 3 mil crianças impactadas pela ação. E realmente o evento foi um sucesso.

Imagem: Fábio Casado/arquivo pessoal — gentilmente cedida para este post. Reprodução proibida.
Imagem: Fábio Casado/arquivo pessoal — gentilmente cedida para este post. Reprodução proibida.

Meu contrato com o clube se encerrou na mesma época da realização do evento. Durante essa experiência única tive a oportunidade de trazer pela primeira vez ao Brasil um dos maiores e mais tradicionais clubes do Mundo. O projeto virou matéria na revista oficial do BVB e veículos como Globo Esporte, ESPN Brasil e Fox Sports. Além disso, o Brasil consolidou-se como um mercado de grandes possibilidades.

Imagem: Fábio Casado/arquivo pessoal — gentilmente cedida para este post. Reprodução proibida.
Imagem: Fábio Casado/arquivo pessoal — gentilmente cedida para este post. Reprodução proibida.

Echte Liebe. Para os brasileiros “Amor Verdadeiro”.

l

Fábio Casado tem 24 anos e é formado em Publicidade e Propaganda. Boleiro de coração e por profissão, já atendeu diversos clubes no Brasil e levou sua experiência para Dortmund.

Imagens: Fábio Casado/arquivo pessoal — gentilmente cedidas para este post. Reprodução proibida.

Category: ColunasMarketing