Da França ao Brasil, a TV sorri com Neymar Jr. no PSG

psg

Onde há Neymar Jr., há bom negócio. Que o digam o Paris Saint-Germain e também os felizardos donos dos direitos de transmissão da Ligue 1 Conforama — e, numa certa medida, também da UEFA Champions League. Abaixo, veremos dois casos de como a presença do brasileiro já está valorizando a imagem do campeonato nas duas praças de interesse central, para a liga e o PSG: a França (obviamente) e o Brasil. Vamos nessa?

l

TV FRANCESA

psg2

Detentor dos principais jogos da Ligue 1, o cable Canal+ registrou um aumento de 20% nas assinaturas. O pico de alcance se deu na estreia de Neymar Jr., contra o Guingamp: cerca de 1,25 milhão de espectadores, um novo recorde para a emissora (sendo que o anterior também tinha sido cravado pelo PSG, em abril de 2017, contra o Nice, de Balotelli).

É apenas um primeiro impacto, mas já suficiente para entender o porquê de a agência beIN ter suspendido o novo leilão dos direitos de transmissão da Ligue 1 (que, aliás, tem sua parte “menos nobre” transmitida por um canal do grupo, o beIN Sports) para esperar a chegada de Neymar Jr. ao PSG. O atual contrato, que cobre o quadriênio 2016-20, vale € 726,5 milhões, e foi assinado em 2014 — quando os parisiens contavam com outra estrela mundial: o sueco Zlatan Ibrahimovic.

l

TV BRASILEIRA

psg3

No Brasil, a parceria entre Neymar Jr. e PSG é sinônimo de recorde na TV fechada. Segundo o instituto Ibope Kantar, o SporTV, que detém o campeonato via Organizações Globo, tem reinado absoluto: apenas na apresentação do craque, no pré-jogo da estreia parisien na Ligue 1, contra o Amiens, o canal teve alcance de 2,8 milhões de espectadores — recorde absoluto em toda a grade cable, “apenas” 100 mil abaixo do que o próprio SporTV conseguiria duas semanas depois, na primeira partida de Neymar Jr. no Parc des Princes, contra o Saint-Etienne. Sublicenciatária dos direitos de transmissão, a ESPN Brasil tem experimentado recordes.

Mais do que isso: Neymar Jr. levou o PSG para a grande esportiva da Rede Globo — ou, se preferirmos, para o principal produto de entretenimento de uma das maiores redes de TV e conteúdo jornalístico da América Latina —, através de inserts, flashes em tempo real e aviso de gol (a famosa “bolinha na tela), interrompendo os jogos do Brasileirão — e, principalmente, integrando a transmissão, e maximizando o alcance, do SporTV.

Quanto vale essa exposição? A própria Globo dirá, nos futuros leilões pelos direitos de transmissão da Ligue 1 e também da UCL — que, além de streamings digitais no GE.com, tem tudo para ganhar a grade aberta já nesta temporada. Já dissemos e repetimos: Neymar Jr. no PSG é o negócio do século — para ele, o PSG e todos que estiverem em volta.

l

Thiago Zanetin tem 31 anos e é redator publicitário na Concêntrica Comunicação e Conteúdo. Fanático seguidor do Hellas Verona, sonha com o dia em que as verdadeiras cores gialloblù da cidade voltarão a brilhar na Europa.

Imagens: Divulgação.

l

Siga o Futebol Marketing nas redes sociais: facebook | twitter

Category: MarketingMercadoNegócios