Como seria uma “Noite do Futebol” no Rock in Rio 2017?

dia_do_rock

Desde que o Rock in Rio é Rock in Rio — lá pelos idos de 1985 —, há reclamação sobre os line-ups — “banda X” ficou de fora, “artista Y” não é rock, e por aí vai. Pensando nisso, FutMKT imaginou uma noite programação de #RiR2017 que agradaria tanto os roqueiros quanto os boleiros. Claro que essa não é uma relação definitiva (ou seja, você também pode reclamar que sentiu falta “dessa” ou “daquela” banda). Vamos nessa?

l

CARLOS DUNGA
Itália

Banda de abertura tem que chegar chegando. Igual a Dunga nas divididas. Por isso, escalamos a Carlos Dunga, de Florença, inspirada pela passagem do capitão de 1994 pela Fiorentina (com um parêntese no rival local, Pisa). Um punk rock rasgado, com aquele tanto de “nós contra o mundo” que compõe as arquibancadas do Artemio Franchi nos jogos da viola.

l

BANDA ÍBIS
Brasil

Inspirada pelo “pior time do mundo”, surgiu, no interior de São Paulo, a orgulhosamente autoproclamada “pior banda do mundo”. Esse slogan, porém, engana: a Banda Íbis é dona de um rock competente, com letras permeadas daquele derrotismo bem-humorado que fez do Íbis um time tão cult quanto ruim. Não sabemos se o grupo ainda está na ativa; mas, se não estiver, o Rock in Rio seria a oportunidade para uma volta triunfal.

l

COCKNEY REJECTS
Inglaterra

Mais fanático pelo West Ham do que Steve Harris (baixista e do Iron Maiden), só mesmo Jeff Turner, vocalista e líder do Cockney Rejects. Com grandes serviços prestados ao streetpunk londrino (incluindo o provável marco-zero do estilo “Oi! Punk Rock”, a música “Oi! Oi! Oi!”), o Jeff e os Rejects — todos, obviamente, muito hammers — tiveram o privilegio de fechar a despedida do Boley Ground, mandando o hino popular hammer “I’m Forever Blowing Bubbles”. E mostrando sua veia boleira universal, os caras ainda fizeram uma música em homenagem à Chapecoense, após o acidente fatal de 2016.

l

TANKARD
Alemanha

Já dissemos e repetimos: se o Tankard pudesse escolher um rótulo para a sua música, seria “Eintracht Metal”. Os caras — em especial o vocalista Andreas Geremia — são fanáticos pelo Eintracht Frankfurt e fazem questão de demonstrar sempre que possível. A última grande ocasião foi final da DFB-Pokal 2016-17: o GSE saiu derrotado (1×3 ante o Borussia Dortmund), mas o show de abertura do grupo foi tão forte que de lá saiu o clipe para “Schwarz Weiß wie Schnee” com participação especial das arquibancadas.

l

Convidada especial:
NINA HAGEN

Noite de rock boleiro sem a “Garota de Berlim”? Não rola. Vem da voz dela um dos maiores hinos populares do futebol mundial: “Eisern Union”, adotado oficialmente pelo Union Berlim — clube pelo qual Nina torce devotamente. Alguém teria que convidá-la para subir ao palco.

l

Thiago Zanetin tem 31 anos e é redator publicitário na Concêntrica Comunicação e Conteúdo. Fanático seguidor do Hellas Verona, sonha com o dia em que as verdadeiras cores gialloblù da cidade voltarão a brilhar na Europa.

Imagens: Divulgação.

l

Siga o Futebol Marketing nas redes sociais: facebook | twitter

Category: Marketing