NEGÓCIO FECHADO | Fim da era Berlusconi: o Milan é chinês

milan3

€ 740 milhões (incluindo € 220 milhões para cobrir débitos). De acordo com a imprensa italiana, esse foi o valor desembolsado pelo consórcio Sino-Europe Investment Management Changxing junto à Fininvest por 99,93% das ações do Milan. O diavolo, a exemplo da sua arquirrival Internazionale, agora fala mandarim.

Sempre segundo a imprensa da Itália, a nova propriedade – que inclui o fundo estatal chinês Haixia Capital e é encabeçada pelo empresário Yonghong Li (sobre o qual ainda aguardamos mais informações) – deverá, por contrato, começará investindo € 100 milhões na equipe (sendo € 15 milhões imediatamente e € 85 milhões nos próximos 35 dias), além de outros € 350 milhões nos próximos três anos. Um esforço gigantesco, mas não de curtíssimo prazo, para recolocar o Milan entre os protagonistas da Serie A TIM e, principalmente, da UEFA Champions League.

silvio

Dessa forma, chega ao fim a administração da família Berlusconi – personificada pelo seu patriarca, Silvio, ex-premier italiano – à frente do Milan. Três décadas de dinheiro à vontade (estima-se um total de € 865,47 milhões em investimentos), balanços profundamente vermelhos (a não liquidez do período chegou a € 785,25 milhões) e incontáveis títulos, na Itália, na Europa e no mundo. Vem daí o desafio do Sino-Europe Investment Management Changxing em Milanello: vencer com equilíbrio. Conseguirá? Estamos de olho.

Thiago Zanetin tem 30 anos e é redator publicitário na Concêntrica Comunicação e Conteúdo. Fanático seguidor do Hellas Verona, sonha com o dia em que as verdadeiras cores gialloblù da cidade voltarão a brilhar na Serie A e na Europa.

Imagens: Divulgação.

Category: MarketingMercadoNegócios