NEGÓCIO FECHADO | Barcelona e Nike renovam por valor recorde

su16_ck_comms_h_front_match_fcb_r_rectangle_1600

Desde maio, sabia-se que a renovação entre Barcelona e Nike estabeleceria um novo recorde no mercado de fornecimento esportivo mundial – superando inclusive a recente tabelinha entre Manchester United e adidas. Só nos faltava saber quanto, como e por quanto tempo. Bem, não falta mais.


A partir de 2018, e até 2028, os culés poderão receber um máximo de € 155 milhões por temporada. Esse máximo está atrelado fatores como: bônus por resultados esportivos (que, convenhamos, não faltarão); total de vendas das lojas oficiais – que voltarão a ser geridas, inclusive em licenciamento, diretamente pelo Barcelona; e royalties sobre licenciamentos dos uniformes de treino, jogo e viagem feitos pela Nike – que aumentou a participação do clube sobre produto vendido para 48% no primeiro ano e 50% nos demais.

rivaldo

Barcelona e Nike começaram sua relação em 1998-99, quando a swoosh dava passos definitivos para se estabelecer de vez no futebol. E o maior deles acabou sendo mesmo a chegada ao Camp Nou. Seja em termos de reconhecimento estético – falamos aqui do manto centenário de 1999-00, aclamado um dos mais bonitos de todos os tempos – ou de sucessos comerciais – como, por exemplo, a camisa-bandeira “Senyera” de 2013-14, o modelo individual mais vendido da marca em todos os tempos, superando com folga 1 milhão de unidades –, o Barça levou a gigante americana a outro patamar. E agora é a Nike que pode impulsionar o Barça a um novo patamar de faturamento: mais de € 1 bilhão em receitas até 2021, nas ambições do clube.

Thiago Zanetin tem 31 anos e é redator publicitário na Concêntrica Comunicação e Conteúdo. Fanático seguidor do Hellas Verona, sonha com o dia em que as verdadeiras cores gialloblù da cidade voltarão a brilhar na Serie A e na Europa.

Imagens: Divulgação.

Category: Marketing