ESPN EUA | Entre adolescentes, MLS é tão popular quanto beisebol

mls kids 2

Conquistar os jovens torcedores é (ou deveria ser) uma das maiores prioridades não só dos clubes, mas também das ligas. E nesse quesito, a Major League Soccer-MLS parece estar no caminho certo. De acordo com o ESPN Sports Poll Annual Report 2013, a elite boleira americana, em seus menos de 20 anos de existência, igualou o índice de popularidade da consagrada Major League Baseball-MLB entre os fãs de 12 a 17 anos, com 18% da preferência – à frete da NHL (hóquei), mas ainda bem atrás de modalidades como basquete e futebol americano (profissional e universitário).

Para chegar a esse resultado, a Luker on Trends, divisão de pesquisa da ESPN americana, entrevistou 1.500 pessoas por mês, mensurando suas afinidades com 31 diferentes modalidades, identificação com atletas e patrocinadores, assiduidade e formas de consumo midiático, entre outras premissas. É interessante ressaltar que já em 2012 o futebol aparecia como o segundo esporte mais popular dos EUA entre fanáticos de 12 a 24 anos; o crescimento da MLS na faixa adolescente, então, deve-se também ao poder de influência de jovens adultos.

mls kids

Entre os fatores que contribuíram para esse cenário, o relatório destaca: a passagem de David Beckham pelo LA Galaxy, entre 2007 e 2012, que fez a MLS ganhar manchetes mundo afora; o sucesso de games como a franquia FIFA, da EA Sports, que permitiu a muitos americanos aprender e conhecer o esporte “na prática”; e as transmissões de campeonatos europeus (sobretudo a Barclays Premier League), que fez do futebol um assunto recorrente no dia a dia dos velhos e novos fãs de esportes.

Imagens: Divulgação

Category: MarketingMercado

Comentários

  1. Caros amantes do esporte, O MELHOR AINDA ESTÁ POR VIR!
    Mais uma vez nos deparamos com um quesito que sempre fica nos bastidores do nosso esporte, a gestão estratégica, e porque falo isso, pois esse tema “gestão” só aparece nas manchetes quando interessa aos “dirigentes carreiristas” para promoções temporárias pessoais com foco em carreiras políticas que imunizarão ações pouco louváveis.
    Gestão é palavra de ordem lá pelas bandas do Tio Sam, na Europa e no Oriente, mas aqui em terras tupiniquins (incluo os irmãos da América do Sul), permanece sendo “tema sombrio”, de pouco interesse por parte dos dirigentes. Esse é um tema que só é badalado nas mesas dos amantes do esporte, ou seja, nos bastidores.
    Um dos nossos grandes desafios dentre muitos, enquanto amantes do esporte é fazer disso, uma bandeira levada aos estádios, aos centros de treinamentos, as praças de esportes de maneira determinada e persistente, pois só com muita determinação e criação de cultura para as novas gerações é que chegaremos a formação de uma “galera” que entenda que isso não é obrigação dos dirigentes, mas um dever deles e um direito dos praticantes e amantes do esporte.
    Sou amante do esporte e proponho que façamos uma grande revolução, onde esse mesmo esporte, seja ele da modalidade que for, passe definitivamente a ser protagonista e não um mero palanque para os aproveitadores que se dizem dirigentes.
    Tenho certeza que criando uma geração consciente dos seus direitos e deveres teremos futuro sim, e, o melhor, crença em que O MELHOR AINDA ESTÁ POR VIR!