TOP 5 | Roqueiros da gringa loucos por futebol

Na pista do Dia Mundial do Rock, Futebol Marketing apresenta cinco bandas e artistas do bom e velho ritmo valvulado que, se pudessem, largariam tudo para viver nos estádio de seus clubes.

O critério foi o seguinte: o menos clichê e “pop” possível, considerando apenas homenagens musicais explícitas – ou seja: as frases Think I’ll buy me a football team, de Roger Waters, ou Se io fossi il presidente della mia squadra di calcio, de Gianni Morandi, não servem para justificar seus amores por Arsenal e Bologna, respectivamente.

“Pô, mas não tem mesmo nenhum brasileiro?”. Pois é, não; pelo seguinte: nós já os conhecemos. Todos sabemos, por exemplo, que o Roger Rocha, do Ultraje a Rigor, é são-paulino doente, que o Samuel Rosa (Skank) é um grande cruzeirense, ou que o Humberto Gessinger (Engenheiros do Hawaii) mata e morre pelo Grêmio.

Quisemos mostrar algo novo. Mas é claro que, quando fizemos esta relação, já sabíamos que nela, certamente, faltaria “aquele cara” ou “aquela música”. Então, suas opiniões e comentários são bem-vindos. Confira:

Tankard – Eintracht Frankfurt. Para uns, trash. Para outros, drunk; mas, se os caras do Tankard pudessem escolher um rótulo para a banda, com certeza seria “Eintracht metal”, tamanha a devoção de todos – especialmente do vocalista Andreas Geremia – pelo clube de Frankfurt. É deles um dos maiores hinos da torcida: “Forza SGE”.

Sumbu Brothers – Hellas Verona. O culto à “hellas-veronesidade” tem muito de rock. Muitas bandas já cantaram em algum momento o clube gialloblù. Mas nenhuma o fez tantas vezes quanto o Sumbu Brothers, que tem entre seus maiores sucessos a música “Stan Arrivando I Gialloblù” – versão da escocesa “Tartan Army Boys”.

Rod Stewart – Celtic. Em uma recente biografia, Ron Wood, guitarrist dos Rolling Stones, é categórico em dizer que, se não fosse músico, Rod gostaria de ter jogado pelo Celtic. O dinossauro escocês – que foi às lágrimas com uma vitória sobre o Barcelona, ano passado -, cita o seu amor pelo clube na canção “You’re in my Heart”.

Sham 69 – Walton & Hersham FC. Além de pegar um trecho do nome de seu clube para batizar a banda, a lendária Sham ainda utilizou o número 69 – referência à conquista da antiga Athenian League (regional). Atualmente, o grupo tem uma “quedinha” pelo Millwall.

Cockney Rejects – West Ham. Intimamente ligados ao rock, os hammers parecem possuir torcedores em todas as suas vertentes – do baixista metaleiro Steve Harris a esta lendária banda punk, que detona os populares do clube (caso de “I’m Forever Blowing Bubbles”) e também endossa ações de hooliganismo (“We Are The Firm”). Fanatismo religioso, quase fundamentalista.

Imagem: Divulgação

Category: Colunas

Comentários

  1. Excelente lista alternativa. Vou compartilhar.
    Pelo jeito, não rolaria um festival com Sham 69 e Cockney Rejects no mesmo camarim, sob risco de um Millwall x West Ham nos bastidores…
    Parabéns. Feliz dia do rock para todos vocês!
    \m/

  2. nunca vi fala nos caras. Por que não fizeram uma lista tipo Brian Jonson (New Castle) Bruce Dickson (West Wan) irmaos Galerg (Man. City) etc… São bem mais conhecidos.

  3. […] sobre o SGE, sigla que vem de nome antigo do Eintracht.  Fiquei sabendo dessa pauleira num post do site Futebol Marketing no Dia do Rock. Valeu! Depois desse peso todo, só resta desejar ao time dos caras do Tankard. Forza, SGE! […]