TOP 5 | Parece mentira: classificações inacreditáveis na Europa

Na pista do 1º de abril, FutebolMarketing.com.br separou cinco das maiores e mais improváveis classificações em mata-matas do futebol europeu de clubes nos últimos anos – daquelas em que nem a torcida acreditava mais.

Tem de tudo: pequenos que superaram grandes, placares elásticos que foram revertidos e clubes desacreditados que, depois do play-off, embalaram rumo ao título. Confira (e se achar que faltou alguma disputa ainda mais surreal, mande para a gente aqui, nos comentários):

 UEFA Cup 1985-86, oitavas de final: Real Madrid-ESP 4×0 Borussia M’gladbach-ALE (ida: 1×5). Sim, já houve um tempo em que o futebol de Mönchengladbach era melhor que o jogado em Madrid. E isto só engrandece o feito dos merengues, que, numa das maiores partidas de sua história, reverteram uma desvantagem de quatro gols e seguiram firmes para o bicameponato da antiga UEFA Cup – a atual Europa League.

 Cup Winners’ Cup 1980-81, 1ª fase: Carl Zeiss Jena-RDA 4×0 Roma-ITA (ida: 0x3). A Roma foi só a primeira vítima no caminho do Jena até a final da antiga Recopa Europeia – mas foi a maior, e voltou da ex-Alemanha Oriental com quatro gols na conta, e improvavelmente desclassificada. Uma zebra daquelas, que também derrubaria Valência-ESP e Benfica-POR, e seria parada apenas por outra, ainda maior: o Dinamo Tblisi, da Geórgia.

UEFA Cup Winners’ Cup 1983-84, quartas-de-final: Manchester United-ING 3×0 Barcelona-ESP (ida: 0x2). A rivalidade entre red devils e catalães vem de outros tempos – e, diferente dos dias de hoje, quem se dava sempre bem era a equipe inglesa. Prova disto foi essa grande virada na Recopa – um dos últimos grandes momentos do clube antes da era Ferguson.

 UEFA Cup Winners’ Cup 1997-98, semifinal: Chelsea-ING 3×1 Vicenza-ITA (ida: 0x1). “Qual o grande problema em se reverter uma derrota por apenas um gol?”. Bem, se depois, no jogo da volta, você sair perdendo aos 32 minutos, e tiver que fazer três gols em menos de uma hora, aí vira um problema e tanto. Mas os blues conseguiram superar: os gols de Poyet, Zola e Hughes valeram o passe para a final e, consequentemente, o segundo título londrino no torneio.

 Cup Winners’ Cup 1963-64, semifinal: MTK Hungaria-HUN 4×0 Celtic-ESC (ida: 0x3). Não temos o vídeo com os quatro gols do time húngaro; mas, pelo nível aí de cima, já dá para ver o que eles tiveram de fazer para barrar o Celtic-ESC. E fizeram. Mais do que uma virada, um verdadeiro sonho para o clube, que chegaria à final da Recopa – perdida, por muito pouco, para o Sporting-POR.

Imagem: FoxSportsAsia/Reprodução

Category: Colunas

Tags:

Comentários

  1. Vcs deveriam ter colocado a do Deportivo La Coruña em 2004 pra cima do Milan. 4-1 na ida pro time italiano e na volta 4-0 pro La Coruña.

    Em tempo, bom artigo.

  2. Olá William,

    De fato, foi uma eliminatória e tanto, nos bons tempos do La Coruña.

    Obrigado pelo comentário e pelo elogio.

    Grande abraço, e continue conosco.

  3. Olá, Fernando.

    Mas estamos falando de Europa, certo? Este Juventus é muito simpático a nós todos – mas não é bem da Itália.

    Obrigado pelo comentário.

    Grande abraço, e continue conosco.

  4. Sensacionais esses jogos!
    Eu também destacaria a final Milan 3 x 3 Liverpool, que não deixou de ser uma superação dos Reds (só que no mesmo jogo), que venceram nos penais.

  5. Com certeza, Stefano.

    Uma reação como poucas.

    Só não a citamos porque, para esse elenco, consideramos apenas disputas eliminatórias e não finais.

    Se abordássemos esse critério, certamente citaríamos Liverpool-Milan, e também outras grandes disputas, como a UEFA Cup 1987-88, entre Bayer Leverkusen e Espanyol (em que os alemães reverteram um placar de 3×0 do primeiro jogo e venceram nos pênaltis).

    Grande abraço e fique conosco.

  6. Bem lembrado, Fernando Ramalho, sem contar que o Coruripe saiu na frente no jogo de volta em SP, e o Juventus reverteu, marcando 05 gols.