TOP 5 | Os gols mais salvadores de 2013

robben

A exemplo do ano passado, Futebol Marketing apresenta uma relação dos gols que mudaram e consagraram histórias do futebol em 2013. São tentos que decidiram campeonatos ou encaminharam classificações, com a gorduchinha indo morrer no barbante, na maioria dos casos, em plenos minutos finais das partidas – no limite entre a justiça e a injustiça boleira. Confira (e se achar que faltou algum lance ainda mais emblemático, mande para a gente nos comentários):

FA Cup with Budweiser – Final: Manchester City 0x1 Wigan – Ben Watson. Não bastassem os 81 anos de espera para chegar à sua primeira decisão na elite, os latics ainda precisaram sofrer por mais 90 minutos antes de realizar o sonho de vencê-la. Mas valeu a pena: a cabeçada do meio-campista Watson, já no apagar das luzes, valeu a maior taça da história do clube, e também o passaporte para a UEFA Europa League 2013-14.

Liga ZON Sagres – penúltima rodada: Porto 2×1 Benfica – Kelvin. Com dois pontos a mais do que o arquirrival Porto, o Benfica foi ao Estádio do Dragão para definir o campeonato: se vencesse, o título já seria seu; e se empatasse, voltaria à Luz precisando apenas de mais uma vitória. Mas perdeu, de virada, com com um gol (brasileiro) nos acréscimos. Um passo definitivo para que, sete dias depois, o Porto confirmasse seu invicto tricampeonato.

TIM Cup – Final: Lazio 1×0 Roma – Lulic. Pela primeira vez, os eternos rivais de Roma se enfrentaram numa decisão. E quem levou a melhor foi o lado biancoceleste, com o gol-capital de Lulic, que, além garatir a taça e uma vaga na UEFA Europa League, ainda adiou o sonho romanista de costurar em seu peito a estrela de prata (por aquela que seria sua décima copa).

Copa Perdigão do Brasil – Oitavas de final: Flamengo 1×0 Cruzeiro (ida: 1×2) – Elias. Embalado pelo Maracanã, os rubro-negros jogavam por uma bola boa para avançar. E entre marteladas e sustos, ela apareceu – mas só aos 43 minutos do segundo tempo, quando Elias aproveitou uma rara desatenção da retaguarda cruzeirense. Fim de papo: depois desse jogo, o Flamengo seguiu inabalável rumo ao tricampeonato.

UEFA Champions’ League – Final: Bayern 2×1 Borussia Dortmund – Arjen Robben. Um pouco aquém de suas possibilidades nas decisões de 2010 e 2012, quando o clube de Munique ficou só na vontade, Robben calou críticos e borusssianos em uma tarde-noite soberba, coroada com o gol do título. Pelos pés do holandês, a Bavária voltou a reinar sobre a Europa, após 12 anos de jejum.

[BONUS TRACK] Copa del Rey – Final: Real Madrid 1×2 Atlético de Madrid – Miranda. Pela quinta vez, o derby de Madrid valeu título. E pela quarta vez, quem deu a volta foi o lado colchonero. Uma taça que, além de tudo, pôs fim a um jejum de 14 anos do Atlético sem vitórias sobre o Real.

Imagem: Desconhecido

Category: ColunasMarketing

Comentários

  1. Fantásticos, mas o mais excepcional foi o do Porto. A torcida gritando e Jorge Jesus caindo de joelhos incrédulo.

  2. ainda acho o gol do ivanovic no acréscimo num final europeia mais decisivo !