Torcida da Internazionale se opõe à camisa vermelha. Leia o manifesto integral traduzido

“Vermelho é a cor de ‘outra equipe’. Essa camisa é uma ofensa à nossa história. Não a comprem e nem apareçam com ela no estádio.”

Assim versa o manifesto assinado pela Curva Nord 1969, maior torcida organizada da Internazionale, sobre a nova camisa reserva do clube, criada pela Nike e apresentada há poucos dias.

Para os fãs neroazzurri, conceituar a escolha do vermelho com base na da bandeira de Milão, ou como a cor da paixão – uma das alcunhas da Inter é benamata, a bem-amada – não basta para anular sua percepção milanista.

Confira a íntegra do texto:

 NEM NA CURVA, NEM EM NENHUM OUTRO SETOR

Pensávamos ter visto de tudo ao longo dos anos: jogadores com números de loteira às costas; jogos às sextas-feiras, ou ao meio-dia; finais de copas nacionais disputadas do outro lado do mundo; acreditações de massa para entrar nos estádios; leis especiais; grupos de “gênios” que decidem como e quando se pode assistir a uma partida. Tudo.

Tivemos de tolerar tudo (mas, tudo) pelo afeto que nos liga às nossas cores. Sim, às nossas cores: o preto e o azul, que, desde sempre, compõem nossas bandeiras, reverberam em nossos cantos e são a razão de viver para tantas pessoas. Isso até que um “entendedor” finalmente não encontrasse sua ideia, digna do Prêmio Nobel: a camisa reserva da F.C. Internazionale para a temporada 2012-13 será completamente vermelha! Um autêntico soco no olho – e outro no estômago, coisa de perder o fôlego. Um insulto à nossa história e às nossas tradições, em nome do Deus dinheiro, que, a essa altura, consagrou as lógicas de marketing acima de qualquer escala de valores.

Provavelmente o autor dessa genialidade tenha sido catapultado inesperadamente de Saturno para a Terra – para não saber que o vermelho é prerrogativa de uma outra squadra, e com “s” minúsculo. Evidentemente, jamais esteve no estádio durante um derby, pois, do contrário, teria visto duas cores que reinam em seus respectivos setores: de um lado, o azul; e, do outro, o vermelho – separados, bem distantes entre si, símbolos de uma contraposição e uma rivalidade que jamais será por menos. Tentemos imaginar aquela mesma camisa com qualquer simples adição e o quadro é dramaticamente completo, e digno de um só adjetivo: horripilante!

Para nós, o vermelho sobre as camisas deveria aparecer somente unido ao branco e o verde, atestando a equipe campeã da Itália. Ou, como no caso do centenário, representar uma cruz sobreposta ao branco – esta sim, cor da bandeira da nossa cidade. E olhe lá.

Destacando que, aqui, não falamos de cores políticas ou pré-julgamentos, é evidente que a conversa de “cores da cidade e da paixão”, com a qual tentou-se justificar tal escolha, é mero pretexto para mascarar uma sujo e danoso compromisso, que só pode ser traduzido como um insulto, tendo em conta que, naquela famosa noite de 9 de março de 1908, nossos fundadores determinaram: “Nascerá aqui, no restaurante ‘L’Orologio’, um lugar de artistas, e será eternamente uma equipe de grande talento. Esta noite esplêndida dará cores ao nosso brasão: o preto e o azul, que fazem fundo ao dourado das estrelas. Chamar-se-á Internazionale, porque nós somos irmãos do mundo”.

Mas alguém, quem sabe, esteja se esquecendo disso tudo. Conscientes de que estas poucas linhas se tornarão, seguramente, palavras mortas, e que ninguém dará remédio à escandalosa escolha, consideramos, todavia, NO MÍNIMO CONVIDAR TODOS OS INTERISTI A NÃO COMPRAR TAL CAMISA E, SEJA COMO FOR, A NÃO SE APRESENTAREM NO ESTÁDIO VESTIDOS COM ELA. NEM NA CURVA, E NEM EM QUALQUER OUTRO SETOR!

Somos retrógrados e conservadores, mas continuamos a considerar a nossa camisa formada unicamente pelas duas cores que nos apaixonam desde crianças, e que conservam em sua união história, paixão e acontecimentos de 104 anos: O PRETO E O AZUL!

Curva Nord 1969

Imagens: Divulgação

Thiago Zanetin (@th_dellascala) tem 26 anos e é redator publicitário na Concêntrica Comunicação e Conteúdo. Fanático seguidor do Hellas Verona, espera ansiosamente pelo dia em que as verdadeiras cores gialloblù da cidade voltarão a brilhar na elite italiana.

Category: CamisasMarketing

Tags:

Comentários

  1. Por mais justificativa que a Nike possa dar, concordo com a torcida da Inter…vermelho é a côr do Milan…imagine o Galo entar em campo de azul, ou o Grêmio de vermelho…o Cporinthians de verde….

  2. Concordo plenamente com o torcedor, passou da hora das equipes usarem o marketing acima de tudo, acima da paixão e do futebol.
    É no mínimo ridículo ver certas coisas, e no Brasil vem acontecendo isso também.

    Acho que lançar um uniforme alternativo é até legal, desde que este tenha as cores do clube ou que tenham uma cor historicamente pertencente ao clube.
    Por exemplo, qual o sentido de Corinthians lançar camisa rocha, grená? Qual sentido teria o SPFC com uma camiseta azul? Seria ridículo.

    É preciso tomar cuidado, muito cuidado com essas coisas, não se pode passar por cima da história dos clubes, só para fazer dinheiro, principalmente na Itália, onde essa camisa pode não vender absolutamente NADA, mas como são clubes visualizados no mundo todo, essa camisa vermelha provavelmente venderá bem em países asiáticos.