Coluna | Bola fora do planejamento da Nike

Parceira do Corinthians exagera no tom e vira alvo de criticas de torcedores rivais

Por Pedro Cavalcanti

Não é de hoje que grandes empresas vinculam os seus nomes aos grandes clubes do futebol brasileiro. Foi assim quando a Petrobras permaneceu por 24 anos no Flamengo. Era notório a ligação da estatal brasileira com o clube carioca, onde uma marca era associada à outra como a camisa rubro-negra era associada ao craque Zico. Foi assim também com o Palmeiras e a Parmalat. O “casamento”, costurado por José Carlos Brunoro, rendeu ao clube paulista a sua melhor fase na história, quando conquistou dois campeonatos nacionais, em 1993 e 1994 e uma Copa Libertadores, em 1999.

Mesmo com as ligações limitadas aos patrocínios nas camisas dos dois clubes, Petrobras e Parmalat perdiam clientes pela rivalidade. Creio que não era nada que prejudicasse o faturamento das empresas, mas muitos vascaínos deixavam de abastecer seus veículos nos famosos postos BR, assim como muitos corintianos não compravam produtos da Parmalat nos supermercados.

Fornecedora de materiais esportivos do Corinthians desde 2003, a Nike lançou um manifesto direcionado aos torcedores rivais. No texto publicado em jornais e disseminada através da internet, a empresa norte-americana diz que o “anticorinthiano” (a pronuncia correta é anticorintiano) sofre mais do que “qualquer um de nós”. A publicação também diz que a “maior torcida do Brasil” não tem nome, bandeira ou grito.

Após a divulgação do texto na mídia, diversos comentários negativos para a Nike foram publicados através das redes sociais. A hashtag #souhonestocomproAdidas foi lançada no twitter e torcedores de São Paulo e Palmeiras criticaram duramente a parceira corintiana através do facebook.

Com todos os fatos colocados sobre a mesa, vale ressaltar alguns pontos. Com tal campanha tão corintiana, a Nike deixa claro que o foco no Brasil continua sendo o Corinthians. Se por muito menos Petrobras e Parmalat sofreram com a rejeição de várias torcidas, por qual motivo a fornecedora corintiana não sofreria?

Quando se trata de futebol, muitas empresas abandonam o bom senso e esquecem que o dinheiro do torcedor de um time tem o mesmo valor do torcedor de outro time.

Lembram do caso envolvendo Alex Glikas, diretor da Locaweb? Para quem não associou o nome aos fatos, o rapaz foi demitido após tuitar ofensas contra o São Paulo durante uma partida contra o Corinthians, em 2010. Na ocasião, a Locaweb havia fechado um acordo com o clube do Morumbi e exibia a marca na camisa tricolor. Os comentários infelizes do então diretor da empresa repercutiu negativamente, fazendo com que a Locaweb publicasse uma nota de desculpas nos dias seguintes ao clássico.

Ainda que a Nike não tenha publicado o manifesto por algum comentário isolado de um diretor exaltado, não caberia algum tipo de retratação aos torcedores rivais? Aposto que o faturamento da empresa, pelo menos a curto prazo, mostrará que a postura seria a mais correta.

Após título, Nike muda estratégia e utiliza a atual campanha global "Minha hora é agora"

Category: Colunas

Comentários

  1. Já não gostava dos produtos Nike pela estética, são feios, agora sim que não compro.

  2. Nike esta em uma parceria com o Corinthians e esta levando a sério, como tem que levar, é a maior torcida do brasil e seguramente a que mais consome e consequente a que da mais lucro, os outros times que passou a patrocinar visa a copa de 2014 e só, foco é o Corinthians. Duvido que alguem deixe de comprar um nike shox um air max por esse motivos citados no texto, até porque são produtos de qualidade indiscutivel.

  3. Vale lambra que a MAIOR TORCIDA DO BRASIL E DO MUNDO” é a do FLAMENGO”!!!
    E concordo plenamente com essa publicação”! So compro ADIDAS DAQUI PRA FRENTE”!

    SOMOS 39 MILHÕES DE APAIXONADOS”!!!!