SOUTHAMPTON – A venda errada da imagem

No último sábado (7 de agosto), foi dado o pontapé inicial na Football League One, a Terceira Divisão do Campeonato Inglês. Um campeonato que, ao contrário do que a hierarquia futebolística pode dar a entender, é de muito bom nível, conta sempre com bons públicos e abriga muitas equipes tradicionais. E, embora muitos gols e vitórias tenham acontecido, o destaque absoluto da primeira rodada da competição ficou para a segunda-feira seguinte, nas páginas do cotidiano The Herald: o triunfo do Plymouth, fora de casa, contra o Southampton, foi registrado com desenhos ao invés de fotos da partida.

Para esta temporada, o Southampton optou pela contratação de uma empresa responsável pela produção e comercialização de imagnes oficiais das partidas do clube em seu estádio, o Saint Mary. A medida, porém, não foi adotada como uma alternativa, mas se tornou a regra para a exposição da imagem do clube, que passou, assim, a ser “produtizada”: as fotos oficiais das partidas do clube, que devem ser compradas previamente, passaram a ser as únicas passíveis de exibição. Diante dessa nova exigência, o periódico de Plymouth, The Herald, resolveu expor o próprio descontentamento de forma diferente, desenhando as cenas e lances mais importantes da partida.

The Herald, 9 de agosto de 2010

É evidente que esta posição assumida pelo Southampton não tem a ver com uma simples antipatia com a imprensa, e, como praticamente tudo o que envolve o futebol inglês, deve ser analisada sob o ponto de vista do business. Uma análise rápida revela que o Southampton errou nas partes referentes à geração de produto e (principalmente) relações públicas.

O produto existe para satisfazer uma necessidade já existente e ainda não atendida. Contratar uma empresa para comercializar imagens do clube em veículos de mídia, que possuem o natural interesse de pauta em fazê-lo, não atende ou incita necessidade alguma, apenas gera mal-estar.

No quesito de relações públicas, os erros do Southampton foram ainda mais graves e se concentram em um único ponto: a mídia. Ao negar as fotos de sua partida, e restringir, assim, a cobertura de suas atividades, o clube corre o sério.

Thiago Zanetin

Publicitário e fanático pelo Hellas Verona.

@th_dellascala

Category: MarketingNegócios

Tags: