Libertadores x Champions League

FBL-WCLUB-ESTUDIANTES-BARCELONA

Por que que apesar do início parecido, as duas competições, atualmente, são tão diferentes? O grande abismo entre os clubes e de infraestrutura impactam diretamente no sucesso das duas competições. Além disso diversos outros fatores contribuem para a diferença atual.

Se alguns fatores causam uma “certa desvantagem natural”, outras são causadas por falhas no planejamento dos clubes e dor organizadores.

Se, nós temos hoje, as duas competições com sistemas de disputas praticamente iguais, é praticamente somente nesse aspecto que as duas se assemelham.

A crise vivida pelos clubes sulamericanos, com a consequente fuga de atletas, de patrocinadores e de investidores esvaziou a Libertadores, que apesar da melhoria e estabilidade de sua fórmula de disputa, teve uma queda no índice técnico sensível.

Há raros exemplos de times que estão crescendo, como o São Paulo, que desde que o campeonato brasileiro mudou seu sistema de disputa para pontos corridos, participa seguidamente da Libertadores (2004 a 2010) chegando a duas finais, Boca Juniors que é o clube mais bem sucedido da década venceu 4 títulos (6 no total).

A situação econômica do continente não é mais desculpa para o estado dos clubes. Há casos que o planejamento e a execução dão excelentes resultados. A entidade sulamericana tem o papel de apoiar a excelência dos clubes e não dificultá-la, vide a alteração do regulamento, evitando, se possível, a final com clubes do mesmo país.

A Uefa entrou definitivamente na internet faz algum tempo. Em seu site pode-se acessar os melhores momentos dos jogos, vídeos históricos e outras informações multimidia, mediante taxa mensal. Além disso há um jogo fantasia que distribui prêmios aos melhores colocados. Há também historia detalhada dos clubes em competições européias e notícias atualizadas sobre as diversas competições do calendário europeu.

No site da Conmebol, não há nada disso. Há informações desatualizadas dos últimos campeões, nada de multimidia e notícias diversas. Porém não há nenhuma interação com o usuário. Isso distancia o usuário da entidade, dificultando o emprego desse importante canal de comunicação.

Em geral, a entidade não se aproveita desse excelente mercado gerado pela principal competição sulamericana, que aumentou sua importância com a participação dos clubes mexicanos. Quem sabe permitir a participação dos clubes dos EUA não injeta um maior dinheiro e nível técnico a competição?

A mais pura verdade é: a Liga dos Campeões da Uefa é glamour, é organização, é bonita. A Copa Libertadores é garra, é paixão, é dura. Mas não podemos negar que as duas tem seu charme.

Category: Negócios

Tags:

Comentários

  1. Realmente. Comparar a Uefa com Libertadores, conseguimos achar um abismo gigante. Exemplificado por ti.
    Não acredito que a entrada dos EUA irá realmente acrescentar nível técnico em si, mas com certeza terão novos adversários e outros patrocinadores. Não deixa de ser positivo.
    Uma pena a Conmebol deixar de olhar para a internet. Aliás, a maioria dos clubes e federações (a própria brasileira) ainda não sabem utilizar a internet aqui na América do Sul. Mas mesmo assim, a paixão pelo futebol e pelos clubes é tão grande que se sustenta mesmo sem esse tipo de interação (ponto negativo para os que não sabem aproveitar isso).
    Tua frase final explica exatamente o que são as duas competições. E quanto a comparação, nem precisava ir tão longe, basta comparar um time sul-americano com os times europeus. Estrutura, marca, internet (site/twitter/blog…), estádios, jogadores. Tudo completamente diferente.

    Parabéns pelo texto. Excelente.

  2. Libertadores da América é um nome mais bonito que Uefa Champions League;
    Libertadores tem catimba, UCL não.

    Na Libertadores, a torcida não fica sentadinha vendo o jogo, praticamente calada, ela vibra, canta, pula, berra, quebra, taca pedra… enfim, faz o que uma torcida tem que fazer (tirando a parte da pedra) sem parecer que está vendo uma ópera.

    Libertadores é campeonato de macho, a porrada come solta, ninguém alivia em carrinho e, vira e mexe, tem confusão após o jogo, não é aquela coisa fake do Gatuso.

    Libertadores, apesar de já ter tido o Ricky, não tem Piqué, Ibrahimovic e, principalmente, Cristiano Ronaldo.

    A final é em dois jogos, cada na casa de um time, não num lugar pré-determinado, com uns dois ou três anos de antecedência, em jogo único.

    São Paulo, Grêmio, Cruzeiro, Flamengo, Boca Juniors, River Plate, Nacional, Peñarol, Independiente, LDU, Olímpia, etc são times montados com jogadores do próprio país, não uma Inter de Milão que foi campeã sem um único italiano.

    LDU, Once Caldas, Vélez, São Caetano, Barcelona (de Guayaquil) times pequenos que já foram campeões ou jogaram finais na Libertadores. APOEL, Auxerre, Besiktas, Basel… times pequenos que com muita sorte chegam nas oitavas da UCL.

    E, por último, mil vezes zoar os corinthianos que não ganham a Libertadores, do que discutir o pq do Arsenal nunca ganhar uma UCL.